Quem nunca se deparou com o dilema: “Como eu vou falar sobre isso?” Independente da área da estatística e do público alvo, o estatístico sempre passa por situações difíceis (até mesmo constrangedoras). Apresentar resultados nem sempre é uma tarefa fácil. Em muitas empresas é preciso pensar em estratégias de apresentação, e que exigem um certo planejamento.

Antes de tudo, algumas questões precisam ser respondidas: “Como vou apresentar os resultados”? “Vamos usar planilhas ou gráficos”? “Trabalharemos com visualização de dados”? “Qual o conhecimento do nosso público sobre o assunto? E sobre Estatística”? “Eles vão entender o que eu estou querendo dizer”? “O resultado não foi o esperado, e agora”?

“O estatístico precisa estar consciente. O seu conhecimento, a forma como vê os dados, e a sua interpretação é diferente de outras pessoas!”

No início da minha carreira, ouvi por diversas vezes, frases que inicialmente não faziam sentido, pelo menos para mim: “Tudo que é muito complexo está errado! A solução deve ser mais simples”. “Pode mudar tudo, eles não vão entender”! “O que é óbvio para você, não é óbvio para os outros”! “É melhor do jeito que está. Fazemos assim há 10 anos”!; “Tem que colocar cor nesses gráficos para prender a atenção”. “Ninguém vai prestar atenção se não for bonito”. E por aí vai. Dá para fazer um índice de frases que ouvimos quando começamos a trabalhar; principalmente quando as pessoas não entendem “aquilo” que você faz!

Diante de toda essa argumentação, eu acredito que a estatística é mal interpretada, e é por isso que quase ninguém gosta. Além disso, existe uma certa “aversão” por parte das empresas (principalmente as tradicionais – familiares) em implementar coisas que não conhecem e possam ter o domínio. E isso desperta em mim, um sentimento de “frustração”; não sei se seria bem essa a palavra.

Pensando nisso, eu me desafiei a desenvolver ainda mais uma habilidade que todo estatístico deve ter: visualização de dados.

Use o seu conhecimento em matemática, linguagens de programação, estatística e comunicação, e crie oportunidades para adicionar valor aos dados“. Colabore com todas as áreas da empresa e entenda o negócio. Analisar e criar modelos já não é mais suficiente. Visualize-os.

Trabalhe com ferramentas de visualização de dados! O estatístico nunca mais será visto como o mesmo.


Material usado

Hans Rosling em apresentação no TED: http://bit.ly/2evGivQ

Siga-nos nas redes sociais

Facebook: https://www.facebook.com/oestatistico

Twitter: https://twitter.com/oestatisticoweb

Instagram: https://www.instagram.com/oestatistico

Pinterest: https://br.pinterest.com/estatisticoblog