O Que Eu Aprendi em 12 Horas de Python?

Em uma terça-feira tranquila, enquanto eu participava de um Fórum de Inovação, um grande amigo, Téo Calvo, me manda uma mensagem dizendo que teve uma ideia e gostaria de saber se eu topava. Falei que sim, antes mesmo de saber o que era.

Téo teve a ideia de fazer um intensivo de 12 horas de conteúdo em uma live. Qual era o conteúdo? Linguagem de programação Python.

Esse intensivo teve um propósito muito bacana. Téo programa em Python desde 2015 e atualmente esta linguagem é uma das suas principais ferramentas no trabalho. Natália, sua esposa, é arquiteta de formação e tem um studio onde trabalha como artesã fazendo amigurumis; e não sabe programar em Python. Então a ideia era ensinar do zero para uma artesã. Começando pelo conhecido “Olá mundo!”, até a parte de manipulação de dados.

Convite para a Live

Planejamento

Todo o conteúdo da live foi desenvolvido pelo Téo. Teoria e exercícios andaram lado a lado. A máquina da Natália foi preparada com a instalação do Anaconda e do Visual Studio Code.

A live foi agendada para começar no dia 31/01 às 20:00 horas e terminar no dia 01/02 às 8:00.

Para comunicar a iniciativa e engajar as pessoas a participarem, fizemos uma live no meu Instagram e explicamos como funcionaria; inclusive sobre o sistema de pontuação para ganhar prêmios no final.

Regras de pontuação

Dá para acreditar? Além de aprender Python durante 12 horas com um dos caras mais feras que eu conheço, quem participou ainda teve a oportunidade de ganhar prêmios. E sabe quais eram?

O primeiro lugar no rank de datapoints poderia escolher entre um livro de ciência de dados / programação em Python  ou um amigurumi feito pela Natália, nossa “artesã de dados”, e ainda teria o direito de participar de uma mesa redonda com Adriana Silva, Téo Calvo e eu.

Os demais participantes acumularam datapoints para trocar por tickets que serão sorteados na próxima live de Python, que acontecerá no dia 06/02. Serão sorteadas 5 pessoas que terão a chance de participar dessa mesa redonda que vamos fazer via hangout, ainda sem data definida.

Vai ser um papo bem bacana sobre data Science, estatística, mercado de trabalho.

O que eu aprendi em 12 horas de Python?

Sexta-feira, dia 31/01, às 20:00 horas com uma ansiedade lá em cima, um computador, duas telas, uma garrafa de café e … esqueci da comida. Mas vamos em frente que durante a gente dá um jeito.

Começou a live com o Téo explicando o propósito, apresentando a Natália e falando das regras novamente. Ele orientou que instalássemos o Anaconda e o Visual Studio Code (VSCode), e realmente começou com o “Olá mundo!”.

Quero deixar bem claro, que eu estava na mesma situação que a Natália e não sabia nada de Python. Para quem me acompanha sabe que uma das minhas metas este ano é aprender a linguagem.

Posso afirmar que essas 12 horas foram sensacionais. Aprendemos e nos divertimos muito. Fomos até onde nosso corpo aguentou. Os “guerreiros” ficaram até as 5:00 horas do dia 01/02, quando nossa mente já não funcionava mais, mesmo com doses extras de café e Coca-Cola. Então resolvemos parar e voltar às 20:00 do mesmo dia para pagar as 3 horas do intensivo.

Antes que você se pergunte, esta não foi uma live de data science. Como era o primeiro contato da Natália com a programação em Python, partimos do zero. E vimos muita coisa interessante.

Aprendemos como trabalhar com números e operações matemáticas; variáveis e operadores; strings; estruturas de dados (dicionários e listas); condicionais (if/else/elif); operadores lógicos; loop for; loop while; range; break; importação de bibliotecas; acesso à documentação; introdução a funções.

Integrado com toda a teoria, muitos exercícios para fixar bem o aprendizado. Programação, independente da linguagem, é prática.

Eu não imaginava que eu poderia aprender tanto de Python em 12 horas. E tudo isso em um único lugar: Twitch, plataforma onde o Téo já costuma fazer lives toda quinta-feira à noite. Aliás, você está convidado para participar.

Como não poderia ser diferente, ao longo da noite e madrugada adentro, enquanto esposa e cachorro dormiam fui registrando um pouco do que fizemos.

“Por incrível que pareça, quando encerramos a live às 5:00 horas, eu estava tão ligado que não consegui dormir. Então fui para o NETFLIX continuar uma série até o sono bater por volta das 8:30.”

Aprendizado além da proposta

Toda vez que participo de algo, eu tento aprender muito mais do que o conhecimento explícito proposto. Durante a live não foi diferente. Aprendemos muito uns com os outros.

O pessoal compartilhou experiências, sugeriu novos encontros com outros temas, ajudou a resolver os exercícios, divulgou ferramentas, melhorou códigos, fez brincadeiras; enfim, construímos um ambiente colaborativo sem ao menos nos conhecermos. Essa é uma das maravilhas da internet.

Esse aprendizado continua. Alguns se conectaram pelo Linkedin, Instagram e Twitter. E dessa forma mantemos a roda gigante trabalhando.

Foi um prazer participar desse intensivo de Python. Minha missão é continuar buscando conhecimento do tema e garantir que o aprendizado não se perca.

Para você que tem interesse em aprender e não conseguiu participar da live, os vídeos ficarão disponíveis por 60 dias. Então acessa aí:

  1. Corujão de Python – 12hrs de live!! Ensinando minha esposa a programar
  2. Corujão de Python – Pagando as 3 horas que estamos devendo

Se você gostou da ideia e está afim de aprender mais, toda quinta-feira, a partir das 20:00 horas, tem live no canal do Téo, no Twitch. Aparece por lá que estamos esperando você.